Seminário de Microfranquias anuncia novo teto de investimento

ABF altera para até R$ 105 mil o valor de investimento em uma microfranquia. Entidade também detalhou dados desse formato de negócios

Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Seminário de Microfranquias anuncia novo teto de investimento

ABF altera para até R$ 105 mil o valor de investimento em uma microfranquia. Entidade também detalhou dados desse formato de negócios

O Seminário de Microfranquias estreou na ABF Franchising Week Virtual 2021 na tarde do dia 25 de junho com a divulgação de dados inéditos sobre as microfranquias e alteração do valor máximo de investimento nesse modelo de negócios, de R$ 90 mil para R$ 105 mil. A Associação levou em conta a inflação dos últimos anos, que refletiu no aumento de custos operacionais e de implantação, e a multiplicação por três do PIB per capita brasileiro, que foi de R$ 35.172 no ano passado, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “Em períodos de retração econômica, de redução da oferta de vagas de emprego, como estamos vivendo, os modelos de negócio mais enxutos se transformam em uma alternativa ainda mais interessante, uma vez que oferecem um modelo de negócio pronto e testado, além do treinamento e suporte de um empresário mais experiente, o franqueador”, afirma a diretora de Relacionamento, Microfranquias e Novos Formatos da ABF, Adriana Auriemo. De acordo com o último levantamento realizado pela ABF (2020), operam no país 562 redes com modelo de microfranquia, sendo 63% puras (apenas com este modelo) e 37% mistas (com os dois modelos). Com o novo teto, a ABF estima que cerca de 70 redes serão somadas ao quadro de microfranquias. Segundo Adriana, esse crescimento se dá, principalmente, por meio de redes tradicionais que lançam modelos de microfranquia, o que reafirma a capacidade das marcas de investirem em novos modelos e formatos de negócios. A ABF aproveitou a ocasião para fazer um perfil das 10 Maiores Microfranquias do Brasil por unidades, de acordo com ranking divulgado pela Associação em março deste ano. Essa análise mostrou que há predominância dos segmentos de Serviços e Outros Negócios, e Alimentação, ambos com 29% das top 10, seguidos por Serviços Educacionais, com 24% delas. Entre as dez maiores microfranquias brasileiras por unidades, o formato exclusivamente Home Based é adotado por 30% delas, mesmo percentual das marcas que adotam também Lojas e somente este formato. Redes que operam apenas com Quiosques têm o menor percentual. O fato de serem negócios com menor investimento reduz o prazo de retorno aos empreendedores que investem em microfranquias. Os Quiosques têm um retorno mais rápido, em média de 3 a 8 meses, e as operações Home Based vêm a seguir, com retorno de 6 a 11 meses. Quanto ao tempo de atuação no mercado, entre as dez maiores microfranquias, as marcas franqueadas de um a dois anos representam 30%. Aquelas que operam no mercado entre três e quatro anos, e cinco a seis anos correspondem a 20% do ranking. “As microfranquias vieram para ficar, independentemente da situação econômica do país, e cumprem um importante papel na formação de empreendedores, sendo uma porta de entrada para quem deseja ser dono de um negócio, tendo acesso a uma marca consolidada, treinamento e todo o suporte técnico e operacional necessário para empreender com sucesso”, disse Adriana Auriemo. Confira a pesquisa completa no QR Code. Palestras Adriana Auriemo (Nutty Bavarian), diretora de Relacionamento, Microfranquias e Novos Formatos, ao lado de Felipe Buranello (Maria Brasileira), coordenador da Comissão de Microfranquias deram as boas-vindas à audiência virtual e fizeram a contextualização do evento. O painel de abertura detalhou as estratégias de expansão nas mídias digitais praticadas pelas microfranquias. Compartilharam suas experiências José Rubens de Oliva (Guia-se) e Humberto Madeira (Prudential do Brasil). Cases de sucesso no YouTube com canais focados nos negócios de menor investimento, José Carlos Fugice Jr. (Goakira) e Raphael Mattos (PremiaPão) falaram sobre como as marcas podem obter maior engajamento e atrair mais investidores. O “Suporte e comunicação como elementos de sucesso na sua rede” foi o tema tratado por Lilian Marques (iGUi TRATABEM), Alexandre Valença (DryJet) e Ana Virginia Lima (Clube Turismo), sob moderação de Adriana Auriemo. Entre as iniciativas da rede, a criação da UniGUi – Universidade da piscina – foi, de acordo com Lilian, de suma importância para ampliar o suporte e a comunicação com os franqueados. Segundo ela, o mundo digital trouxe os franqueados para mais perto das redes. Reafirmando o sucesso da medida, o franqueado José Apolônio, dono de uma loja iGUi e outra TRATABEM, declarou: “através desse suporte nos tornamos referências mundiais”. O Seminário terminou com os segredos das redes que compõem o ranking das 10 Maiores Microfranquias por unidades no Brasil. O painel contou com a participação de Júlia Shirowia (Kumon), Guilherme Piccolotto (PitStop), Raphael Brito (SolarPrime) e Juliana Pitelli (Maria Brasileira).