Grandes empresas, pequenos negócios

Redes de franquias tradicionais lançaram formatos de microfranquias para se adequar à grande demanda do mercado

Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Grandes empresas, pequenos negócios

Redes de franquias tradicionais lançaram formatos de microfranquias para se adequar à grande demanda do mercado

A pandemia de coronavírus obrigou empresas de diversos segmentos e tamanhos a se reinventarem, e no franchising não foi diferente. Diante de um cenário tão desafiador, as redes desse sistema precisaram fazer diversas mudanças e, sobretudo, investir em novos formatos para se manterem ativas e atrair investidores. Paras muitas delas, a solução foram as operações mais enxutas e baratas. Assim, ganharam destaque as microfranquias, com investimento inicial abaixo de R$ 90 mil. Esse modelo de negócio, que vem numa crescente na última década e deverá seguir em forte alta este ano, caiu nas graças até de marcas tradicionais. É o caso da Calçados Bibi. Com o objetivo de potencializar a sua presença, a empresa que atua desde 1949 no segmento infantil estruturou, em julho do ano passado, um modelo mais econômico, de R$ 90 mil. Ele contempla instalações, soluções tecnológicas, primeiro estoque, capital de giro e taxa de franquia. O faturamento médio mensal estimado é de R$ 40 mil e, o prazo de retorno, de 12 meses. Para efeito de comparação, os outros modelos oferecidos pela rede são a Loja Padrão e a Loja Light, cujos investimentos totais (já incluindo taxa de franquia, showroom e capital de giro) são de R$ 580 mil e R$ 300 mil, respectivamente, com faturamento médio mensal entre R$ 100 mil e R$ 160 mil e entre R$ 70 mil e R$ 100 mil. “O grande diferencial da microfranquia é ingressar em lojas que contam com um mix de produtos infantis. Nelas, há um espaço reservado apenas para os calçados da Bibi e o logo da marca é inserido na fachada da unidade. Para agregar ainda mais, o negócio passa a contar com todo o nosso sistema de gestão e os projetos de transformação digital, que auxiliam de forma efetiva no aumento das vendas”, comenta a presidente da companhia, Andrea Kohlrausch. O formato é parecido com o licenciamento, com a vantagem de que o franqueado recebe todo o suporte da franqueadora, além de se tornar um embaixador da marca na cidade. O novo projeto foi pensado, principalmente, para municípios menores, com até 100 mil habitantes, e que não contam com shopping centers. Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, foi o primeiro a recebê-lo. Para 2021, a meta é abrir dez pontos. Há 48 anos atuando no segmento educacional, o CNA também abraçou o modelo de microfranquia para melhorar seus resultados. Em fevereiro deste ano, a rede lançou dois modelos: Franquia Escola CNA e Franquia Studio CNA. Ambos têm valor inicial de R$ 35 mil. “Atuamos para responder aos estímulos e mudanças do mercado em alinhamento com as rápidas transformações. Percebemos a necessidade e a oportunidade como uma tendência e nos movimentamos rapidamente para reagir a isso com esses novos formatos de franquia que passamos a comercializar”, destaca o diretor de Expansão da empresa, Eduardo Murin. A Franquia Escola CNA foi pensada para ser instalada dentro de instituições de ensino, e tanto para quem já é franqueado da rede quanto para mantenedores de colégios. A Franquia Studio CNA, por sua vez, foi idealizada para cidades com até 35 mil habitantes e prevê um ponto comercial com uma sala de aula, em espaço econômico com até 40 m². Nela, o franqueado precisa ser, necessariamente, professor de inglês, espanhol ou dos dois idiomas. Além dos dois lançamentos, a rede continua trabalhando com seus outros quatro modelos (compacto, pequeno, médio e grande), com investimento entre (a partir de) R$ 95 mil e (a partir de) R$ 350 mil. Atualmente, são 630 escolas em operação e o plano de expansão para 2021 prevê a abertura de mais 165 em todas as regiões do País, com ênfase no Norte e no Sul e nos estados de Minas Gerais e Bahia. Para o fundador da Loja de Franquia, Lucien Newton, a microfranquia resgata muito dos primórdios do franchising, da sua essência. “É um modelo que surgiu forte na década passada e ganhou relevância com a pandemia. O que aconteceu é que a atual crise forçou as empresas a buscarem alternativas de expansão e com custo reduzido. Ficou claro que esse é o caminho, até porque é um tipo de negócio eficiente, inteligente e, muitas vezes, flexível. Não à toa tem sido adotada por grandes franqueadoras, marcas consagradas, como estratégia de sobrevivência.” Junto com a necessidade de se diminuir os custos e dar continuidade ao negócio, outro importante impulsionador das franquias mais enxutas tem sido oferecer uma oportunidade para o pequeno empreendedor. “Em outros momentos de dificuldade econômica, o mercado de franquias recebeu profissionais em busca de alternativas de renda, é o conhecido empreendedorismo por necessidade. Agora, algumas redes têm nos relatado esse maior interesse, especialmente entre as microfranquias”, aponta a diretora de Relacionamento, Microfranquias e Novos Formatos da Associação Brasileira de Franchising (ABF) e sócia-diretora da microfranquia Nutty Bavarian, Adriana Auriemo. Segundo ela, são dois perfis principais: os profissionais que perderam o emprego e com o dinheiro da rescisão decidem investir e pequenos empresários que aproveitam a queda dos preços dos aluguéis e a baixa dos juros para abrir novas frentes. “Em menor quantidade, temos ainda franqueados que expandem suas operações e investidores em busca de diversificação de seus ativos”, acrescenta. Todo mundo de olho Em 2020, segundo dados da ABF, operavam no País 562 redes com modelo de microfranquia, sendo 63% puras (apenas com este modelo). Este ano, espera-se que o número seja ainda maior, e não só pela entrada das marcas tradicionais, mas também das mais novas. Lançada em 2014, a Bubble Mix Tea, rede de preparo da bebida taiwanesa Bubble Tea, é uma delas. Antes da pandemia, cerca de 85% de suas unidades ficavam em shoppings e galerias comerciais, locais que tiveram de ser fechados várias vezes desde março do ano passado, o que impactou fortemente no faturamento. “Por conta disso, pensamos que precisávamos de um modelo de negócio voltado para a rua e preferencialmente mais barato. Criamos, então, o To Go e o Express. O To Go é focado no take away. Tem um cardápio bem objetivo, com a novidade de o franqueado também poder vender produtos alimentícios para complementar o portfólio, e funciona em espaços compactos, a partir de 4,5 metros. O Express é uma store in store, idealizada para ser uma operação reduzida dentro de um estabelecimento já existente”, conta o sócio-diretor da empresa Rogério Arcanjo. O primeiro formato tem investimento inicial de R$ 85 mil, incluindo taxa de franquia, maquinário básico e kit de utensílios, com projeção de faturamento mensal entre R$ 20 mil e R$ 40 mil. Até abril deste ano, sete unidades haviam sido vendidas e a meta é chegar a 20 em dezembro. No segundo, o valor é de R$ 25 mil, com faturamento médio mensal entre R$ 10 mil e R$ 25 mil. As vendas até o momento somam 11 operações, devendo a chegar a 35 nos próximos seis meses. Com as novidades, a empresa agora conta com quatro formatos de franquias. Os outros dois são loja e quiosque padrão, cujos investimentos iniciais ficam entre R$ 155 mil e R$ 180 mil, e o faturamento médio mensal, entre R$ 40 mil e R$ 75 mil. O payback estimado é entre 18 a 30 meses. A rede de cuidadores de pessoas Home Angels, apesar de já ter nascido como microfranquia, em 2009, também decidiu criar uma opção mais econômica para captar interessados e conseguir se manter durante a maior crise sanitária da história. “A pandemia nos fez ter a necessidade de criar um modelo específico para pequenas e médias cidades. Assim nasceu o Home Angels Express, focado apenas em cuidadores de idosos e na oferta de serviços com uma carga horária menor, com contratos de quatro horas”, diz o sócio-diretor da marca Artur Hipólito. O lançamento tem taxa de franquia entre R$ 25 mil e R$ 35 mil e investimento pré-operacional de cerca de R$ 16 mil. O modelo tradicional ofertado pela marca, o Premium, tem taxa de franquia entre R$ 35 mil e R$ 50 mil e investimento de aproximadamente R$ 39 mil. Atualmente, a Home Angels conta com 105 unidades ativas. Com o Express, o plano é dobrar de tamanho até meados de 2022.