Franquias reduzem perdas pelo segundo mês consecutivo, aponta estudo ABF/AGP

Setor registrou queda média no faturamento de 30,1% em junho, em relação ao mesmo período do ano passado

Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Franquias reduzem perdas pelo segundo mês consecutivo, aponta estudo ABF/AGP

Setor registrou queda média no faturamento de 30,1% em junho, em relação ao mesmo período do ano passado

De acordo com estudo da ABF e da empresa de pesquisas AGP, o franchising registrou, pelo segundo mês consecutivo, redução nas perdas de faturamento. Em junho, a queda média no faturamento foi de 30,1% com relação a junho de 2019, menor do que os 41% em maio e 48,2% em abril. A reabertura gradual da economia em alguns estados, a elevação das unidades em operação e o maior desenvolvimento de outras canais de venda a partir do digital são as principais razões para essa recuperação.
Em junho, assim como no levantamento anterior, os segmentos de Entretenimento e Lazer e Hotelaria e Turismo se mantiveram como os mais afetados, enquanto Saúde, Beleza e Bem-Estar, Serviços e Outros Negócios e Serviços Educacionais apresentaram quedas menores de, respectivamente, 1%, 7% e 23%.
“Embora ainda muito desafiador, o cenário do setor começou a apresentar fatores positivos. Várias cidades iniciaram programas de reativação econômica gradual e relaxamento do distanciamento social. Além disso, as redes tiveram mais tempo para desenhar e implementar seus planos de contingência, principalmente diferentes formas de venda a distância e promoções. Por fim, ainda que de forma insuficiente, algumas linhas de crédito passaram a chegar às pequenas e médias empresas e o impacto das políticas de renda emergencial foi sentido”, avalia o presidente da ABF André Friedheim.

Fechamentos e expectativas
O estudo ABF/AGP apontou também que 12% das unidades de franquia estiveram fechadas temporariamente em junho, queda de seis pontos percentuais em relação a maio. A taxa de encerramentos definitivos chegou a 0,8% e a de repasse a 0,2%.“A diminuição da taxa de unidades fechadas temporariamente mostra o esforço do setor em se adaptar à nova situação. De outro lado, o aumento dos encerramentos definitivos reflete a profundidade e a duração desta crise. Infelizmente, muitos negócios não conseguiram resistir, sobretudo pela dificuldade de caixa, mas é bom notar que entre as franquias esse movimento é inferior aos negócios isolados”, disse Friedheim.
A pesquisa ABF/AGP de junho trouxe ainda um dado novo: a expectativa das redes para a retomada dos níveis de faturamento pré-Covid-19. Um volume considerável (42,7%) espera que isso ocorra ainda em 2020, enquanto 31,4% acreditam que isso aconteça no primeiro trimestre de 2021 e 14,8%, no segundo trimestre do mesmo ano.
“Nosso estudo identificou também que essa expectativa varia muito dentro dos segmentos. Por exemplo, Alimentação, Moda e Serviços Educacionais têm uma expectativa de retorno aos níveis pré-Covid-19 mais dilatada. Enquanto Serviços e Outros Negócios já espera uma recuperação mais forte no começo do segundo semestre. Até áreas muito afetadas como Turismo e Lazer começaram a ter perspectivas futuras melhores, uma vez que os consumidores têm buscado mais viagens de carro e/ou de pequena duração e se começou a discutir o retorno dos cinemas e outras atividades em pequenos grupos e com restrições”, finaliza.

Partners holding big jigsaw puzzle pieces flat vector illustration. Successful partnership, communication and collaboration metaphor. Teamwork and business cooperation concept.