Sem crise nas franquias de tecnologia

Redes do segmento revelam que têm recebido grande procura tanto por candidatos a franquia quanto por consumidores

Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Sem crise nas franquias de tecnologia

Redes do segmento revelam que têm recebido grande procura tanto por candidatos a franquia quanto por consumidores

A pandemia do novo coronavírus provocou uma crise sem precedentes no Brasil e no mundo. Com as empresas e as pessoas precisando se adaptar a uma nova realidade, por conta das políticas de distanciamento social, a tecnologia se tornou ainda mais imprescindível no dia a dia. Aulas, compras, reuniões… tudo foi transferido para o mundo digital.
Diante desse cenário, o setor de Comunicação, Informática e Eletrônicos foi um dos beneficiados. Só no mercado de franquias, as marcas do segmento registraram aumento de 6,9% no faturamento na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF).
A entidade aponta que elas foram estimuladas pela consolidação de empresas de tecnologia em meios de pagamento e pelo crescimento dos investimentos em marketing digital e comunicações on-line de forma geral. Vale destacar que muitas redes dessa área operam no modelo home based, o que lhes deu uma vantagem competitiva.
André Miceli, diretor-executivo da Infobase, empresa integradora de TI, e coordenador do MBA em Marketing e Inteligência de Negócios Digitais da Fundação Getulio Vargas (FGV), comenta que a pandemia acelerou boa parte das mudanças que já estavam previstas. “O protagonismo da tecnologia estava em curso. O que aconteceu com essa crise foi que ele se acelerou. Neste momento, o papel da tecnologia na vida de pessoas e empresas ficou maior do que nunca, e tudo isso tem gerado bons resultados para quem atua na área, sobretudo, com software, soluções de nuvem e comércio eletrônico, redes sociais, automação e ferramentas de comunicação e vendas”, analisa.
Dentre as marcas que estão se dando bem está a Guia-se Agências Digitais, que atua com soluções e oportunidades de negócios para internet. Entre janeiro e maio deste ano, ela registrou crescimento de 17% em relação ao mesmo período de 2019. Com 130 operações até o momento, a rede segue expandindo.
“Vendemos entre quatro e cinco unidades por mês, mesmo durante a pandemia. A nossa área de expansão vai bem e deve melhorar ainda mais. A meta é fechar o ano com 170 unidades, podendo até superar esse número em 10% ou 15%. Para isso, estamos realinhando campanhas e aumentando os investimentos”, diz o CEO da rede José Rubens Oliva Rodrigues.
“Tem muita gente buscando oportunidades, querendo empreender a partir de suas casas e em um segmento que agora, mais do que nunca, se tornou essencial para as empresas. Do ponto de vista do marketing digital, por exemplo, as que não elaborarem uma estratégia focada nele correm o sério risco de não sobreviverem”, acrescenta.
Outra rede com bons resultados é a Dot Bank, banco digital da Gigatron Franchising, voltado para empresas com alto volume de emissão de boletos bancários e que desejam automatizar 100% seu fluxo de pagamento e recebimento. Apesar de recente – foi lançada no segundo semestre de 2019 –, já conta com 2,5 mil clientes cadastrados e nove franquias.
“Temos tido grande procura mesmo neste período de crise, e tanto por parte de correntistas quanto de candidatos interessados em ter uma operação. Registramos crescimento na demanda em torno de 15% a 20% ao mês e, na procura pelo negócio, em cerca de 40%. São índices bastante satisfatórios”, comenta o diretor-executivo da marca Marcelo Salomão.
A previsão é a abertura de 25 unidades até o terceiro trimestre do ano e bater o volume de 100 mil boletos bancários emitidos por mês. “As pessoas estão cada vez mais conectadas, quase todo mundo tem um smartphone, usa WhatsApp. Praticamente tudo o que fazemos depende da tecnologia e acontece no mundo digital, inclusive a realização de serviços bancários. Isso, com certeza, coloca as empresas da área em uma situação mais confortável”, complementa o executivo.
A Acqio, especialista em soluções de pagamento, também não tem do que reclamar no momento: registrou crescimento de 24% no primeiro trimestre deste ano em comparação com o mesmo período de 2019. “As duas primeiras semanas de março até foram meio críticas para os negócios, mas notamos que a demanda nas regiões onde atuamos, que são cidades de pequeno e médio portes, não foram tão afetadas”, relata o diretor de Operações da franqueadora Felipe Valença.
O executivo diz ainda que, mesmo neste momento, a empresa tem sido bastante procurada por interessados em abrir uma unidade. “Tem muita gente que quer empreender e muitas perderam o emprego por conta da pandemia de Covid-19 e o segmento de tecnologia, em especial o de microfranquias, é uma excelente oportunidade.”
Com 1,7 mil unidades, a Acqio tem promovido novas ações para garantir estabilidade para franqueados, lojistas e parceiros. “Diminuímos as despesas, isentamos os royalties e, por outro lado, oferecemos novos produtos, como o Acqio Crédito, em parceria com a Creditas (plataforma online de crédito). O objetivo é gerar mais receita dos dois lados”, complementa Valença.