Na palma da mão

Com 226,3 milhões de celulares, o Brasil é um dos países que mais faz downloads de aplicativos; ferramenta não apenas aproxima a empresa do cliente, mas também funciona como mais um canal de negócios

Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Na palma da mão

Com 226,3 milhões de celulares, o Brasil é um dos países que mais faz downloads de aplicativos; ferramenta não apenas aproxima a empresa do cliente, mas também funciona como mais um canal de negócios

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) calcula que o Brasil tenha 226,3 milhões de celulares ativos, o que corresponde a 96,2 aparelhos para cada 100 habitantes. Esses aparelhos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estão presentes em 99,2% dos domicílios com acesso à internet.
Um mercado que tem acompanhado esses números superlativos é o de aplicativos. Levantamento feito pelo Pew Research Center, empresa norte-americana de pesquisas e tendências, indica que esse segmento deve movimentar US$ 6,3 trilhões até 2021 em todo o mundo.
No ano passado, de acordo com a Sensor Tower – provedora de inteligência de mercado e insights para a economia global mobile –, foram baixados 114,9 bilhões de apps (30,6 na App Store e 84,3 na Google Play) no mundo, crescimento de 9,1% em relação ao ano anterior. Apenas no último quadrimestre, o Brasil foi a terceira nação que mais fez downloads – a maioria esmagadora na Google Play, 1.94 bilhão –, ficando atrás apenas de Índia e Estados Unidos.
Outros números interessantes relacionados ao mercado nacional fazem parte da pesquisa “Panorama Mobile Time/Opinion Box – Uso de apps no Brasil”, realizada pelo site de notícias Mobile Time e pela empresa de soluções em pesquisas Opinion Box. Ela indica que 96% dos usuários de celular já baixaram aplicativos e 50% fizeram compras dentro de algum app.
“No País, essa é uma área que ainda está amadurecendo, mas temos percebido cada vez mais empresas, incluindo os grandes players, como bancos e varejistas, colocando os aplicativos como uma plataforma de fato relevante para suas estratégias, e para serem utilizados não apenas como mais um canal de relacionamento, mas sim de negócios”, comenta o diretor Latam da Applifit Brasil, especialista em publicidade mobile, Marcus Imaizumi.
O executivo destaca que essa ferramenta se tornou um importante diferencial competitivo, pois aproxima o cliente da empresa, já que ele pode acessá-la a qualquer hora e de qualquer lugar, e muitas vezes sem consumir o pacote de dados da internet. Mas para que seja realmente efetiva, ele pondera, é necessário que tenha algum tipo de funcionalidade. “O app só faz sentido quando se diferencia do site e quando oferece uma experiência de navegação mais agradável, preparada e rápida. Caso contrário, é um gasto que não vale a pena.”
O gestor de Media Lab do Centro Universitário Eniac Felipe Lima acrescenta que os aplicativos trazem certa autoridade para as empresas. “No momento em que a marca lança seu app, ela passa para o cliente uma imagem de força e inovação. Também mostra que está mais bem preparada do que suas concorrentes e atenta ao que acontece no mercado”, avalia.
E não pense você que esse recurso é uma opção apenas para gigantes como Magazine Luiza, Americanas e Santander. Nada disso. Com a sua popularização, tendo como consequência o barateamento do preço e a facilidade no desenvolvimento, cada vez mais as pequenas e médias empresas estão seguindo a tendência e entendendo a importância de se investir no mobile.
“Como hoje em dia quase todo mundo tem smartphone, tornou-se indispensável para qualquer marca ter um canal de comunicação através dele, um canal ainda mais direto com o cliente. Quem não investir nesse tipo de solução, certamente vai ficar para trás”, afirma Lima.
No caso do franchising, Imaizumi complementa que a estratégia faz todo o sentido para o sistema, mas precisa partir da franqueadora, afinal, se trata de uma nova unidade de negócios, e também tem de beneficiar toda a rede.
“Já vi casos de franqueados que fizeram os próprios apps, mas isso está longe do ideal, pois assim se perde todo o poder de barganha e escalabilidade da marca e, muitas vezes, até a identidade. A criação de apps exige planejamento e cuidado, como acontece qualquer outro produto”, finaliza.