A papisa da moda

Aos 80 anos, a empresária e consultora Costanza Pascolato aproveita a vida com toda intensidade, sem descuidar da saúde

Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A papisa da moda

Aos 80 anos, a empresária e consultora Costanza Pascolato aproveita a vida com toda intensidade, sem descuidar da saúde

Em um dia que os numerólogos adorariam analisar a simbologia (19/09/19), a empresária, consultora e escritora Costanza Pascolato completou 80 anos. Ela, que é uma das maiores autoridades da moda no Brasil, tem muita história para contar e agora estão todas no livro A Elegância do Agora, lançado recentemente pela Editora Tordesilhas. Nele, Costanza resgata memórias familiares e amorosas, desde a infância até a juventude em São Paulo, e os movimentos decisivos de sua vida adulta, aprofundando em conceitos que sempre a nortearam.
Nascida em uma família da aristocracia italiana, sua vida sempre foi recheada de acontecimentos e transgressões, com um pé na rebeldia e outra na inquietação. Enquanto Costanza acompanhava de perto a reconstrução do Ocidente, o auge da era Industrial, o nascimento do prêt-à-porter e a chegada da tecnologia, as coisas também se transformavam em seu âmbito pessoal: ela se casou três vezes, foi deserdada, teve duas filhas e dois netos, conquistou o primeiro emprego depois dos 30 anos e enfrentou o câncer.

Envelhecimento e saúde
Seguindo o exemplo do pai, que era extremamente ativo – praticava tênis, golfe, natação, remo e vela –, Costanza começou a se exercitar desde cedo. “Fiz ballet moderno e clássico, ginástica sueca, salto ornamental e andei muito a cavalo. Sempre fui agitada e sempre fiz alguma atividade. Só parei na época em que estava trabalhando muito e me dedicava totalmente àquilo”, conta.
Atualmente, é adepta do Pilates, que pratica três vezes por semana, e das caminhadas, que faz diariamente por cerca de uma hora e meia. Na sua rotina também há espaço para a meditação transcendental. “Faço, pelo menos, durante 30 minutos, todos os dias, antes mesmo de levantar da cama. Na sequência, aproveito para realizar alguns movimentos de yoga e reforçar a coluna e o pescoço, já que tenho artrose na segunda vértebra. Isso tudo me deixa mais calma e alivia as dores”, relata.
Costanza já lidou com uma depressão profunda e também enfrentou o câncer de mama, duas vezes. “Tive o primeiro tumor no seio em 1993, o segundo, em 2013. Precisei de força e clareza para superar, mas, ao final, aprendi a ter resistência, perseverança e não me deixar apavorar.”
Esses episódios, ela afirma, só aumentaram a sua atenção com a saúde. Bastante disciplinada, faz exames preventivos religiosamente a cada seis meses e não descuida da alimentação – evita carne vermelha, capricha nos legumes, verduras e frutas e bebe bastante água. Para ela, a saúde vem sempre em primeiro lugar. “Não fumo, não bebo, não me drogo. Faço questão de me cuidar”, afirma.
Temido por muita gente, o envelhecimento nunca foi um problema para a empresária, que também não vê sentido em procurar a juventude eterna. Aos 49 anos, ela até fez um procedimento estético, um minilifiting, mas, hoje, foge deles. “A natureza foi generosa comigo, aceito o que ela me deu e as marcas do tempo. O que não abro mão é de aparecer arrumada. Nunca saio em desordem, jamais, é uma questão de respeito com o outro. Isso é algo que meus pais, avós e bisavós me ensinaram.”
Costanza, uma seguidora fiel do “viver o momento, sem pensar no futuro”, sabe que tem menos tempo, mas nem por isso se deixa abater ou curtir os dias com menos intensidade. “Claro que minha rotina atual não é mais tão rigorosa, mas ainda assim trabalho, viajo, aproveito minha família, curto os amigos.” Seu único medo, admite, é dar trabalho para os outros e fazerem os que ama sofrerem. “De resto, estou totalmente em paz”, conta.
A papisa da moda, como foi apelidada, nasceu em Siena, na região da Toscana, na Itália, e veio para o Brasil com a família – a mãe Gabriella, o pai Michele e o irmão Alessandro – e a governanta Blanche Raval, aos seis anos de idade, fugindo da Segunda Guerra Mundial. Por aqui, sua primeira parada foi em São Paulo, onde seus pais fundaram, em 1947, a Tecelagem Santaconstancia.
Mais tarde, ao lado do primeiro marido, o americano Robert Hefley Blocker, com quem teve as duas filhas, Alessandra e Consuelo, se mudou para o Rio de Janeiro. Aos 33 anos, se separou e voltou para a capital paulista, para viver com seu grande amor, o italiano Giulio Cattaneo della Volta, falecido em 1990.
Por causa disso, foi rechaçada pela sociedade da época, deserdada pelos pais e ainda perdeu a guarda das filhas. O terceiro relacionamento da empresária foi com o jornalista e produtor musical Nelson Motta. Eles começaram a namorar em 1995, se casaram quatro anos depois, e ficaram juntos até 2001.
Apaixonada por moda desde criança, Costanza começou a vida profissional na empresa da família, ao lado da mãe. Mas a projeção nacional na área se deu apenas na década de 1970, quando fez parte do núcleo de revistas femininas da Editora Abril. Ficou lá até 1988, quando voltou para a Tecelagem Santaconstancia.
Ainda nos anos 80, passou a escrever sobre moda para o jornal Folha de S. Paulo e abriu sua consultoria. Em 2001, entrou para o time de colunistas da revista Vogue, da Editora Globo, e em 2013 se rendeu ao mundo digital com o lançamento do site Costanza Pascolato.
Também lançou alguns livros, além do mais recente A Elegância do Agora: O Essencial (1999), Como ser uma modelo de sucesso (2003), Confidencial (2009) e Meu Caderno de Estampas (2015).

Uma vida gamourosa e repleta de curiosidades
* No colégio Dante Alighieri, onde estudou na infância, Costanza ficava de castigo por mudar o uniforme. Achava que ele não ficava bem. Subia a barra da saia, usava o casaquinho ao contrário para esconder os botões dourados e inventava novos nós para a gravata.
* Na década de 1970, morou uma temporada no hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro.
* A consultora de moda faz a própria maquiagem e cabelo, todos os dias. Ela leva cerca de uma hora e meia para se arrumar.
* A empresária usa o mesmo penteado (cabelo armado na frente e preso na nuca), uma de suas marcas – junto com os óculos escuros e o traço nos olhos – desde os 69 anos.
* Em 2008, foi condecorada “Commendatore dell’Ordine della Stella” pelo governo italiano como uma de suas cidadãs ilustres.
* Costanza participou de um clipe da cantora Manu Gavassi, lançado em janeiro deste ano.