Franquias apostam em novos modelos de negócios para a internacionalização

A internacionalização é uma alternativa para a expansão de franquias. Segundo pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), atualmente 163 marcas nacionais possuem operações em 107 países.

Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Franquias apostam em novos modelos de negócios para a internacionalização

A internacionalização é uma alternativa para a expansão de franquias. Segundo pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), atualmente 163 marcas nacionais possuem operações em 107 países. Muitas dessas empresas investem em diferentes modelos de negócios e estratégias para se adaptarem às demandas dos mercados externos.
Seja por meio de franqueados, venda direta ou licenciamentos, a inovação é uma aliada na trajetória internacional. A rede de acessórios femininos Morana, com 300 lojas no Brasil, reconsiderou o modelo de unidades próprias que implantou em países como Portugal e Estados Unidos. A rede recebe o apoio do Franchising Brasil – programa de internacionalização realizado por meio de uma parceria da Apex-Brasil com a ABF –, em sua sua trilha no mercado global.
“O processo de capacitação e orientação nos ajudou a repensar nosso formato, desenvolver novos diferenciais e, principalmente, dar foco e planejamento”, conta Jae Ho Lee, CEO do grupo Ornatus, do qual a marca faz parte. Uma das soluções da Morana para inovar nos Estados Unidos foi implementar a venda direta.
“Assim, é possível introduzir a marca por meio de consultoras e revendedoras e implementar displays em locais onde a mulher está sempre presente”, explica o CEO. O modelo traz segurança e flexibilidade para os investidores. Ele já foi implementado na Flórida, exige investimentos menores e é integrado a plataformas de venda on-line para as revendedoras.
Outro exemplo é o da Usaflex, que, desde 2018, trabalha a marca no mercado externo com licenciamentos. A empresa de calçados está em mais de 50 países e conta com 15 lojas licenciadas no exterior.
No passado, investiu em diversos modelos de negócios: exportação direta, lojas multimarcas por meio de agentes e private label. O projeto de licenciamentos da Usaflex levou cinco anos para amadurecer e começou com um piloto de lojas fidelizadas, no qual os parceiros internacionais com mais de três unidades ganharam mais liberdade.
Já a iGUi, fabricante de piscinas em P.R.F.V. (Poliéster Reforçado com Fibra de Vidro) e com 800 unidades franqueadas, desenhou o modelo de negócios com base na logística. A empresa estuda o mercado que deseja entrar, identifica possíveis parceiros locais e estrategicamente usa suas 40 fábricas instaladas em países como México, Portugal e Estados Unidos para atender as demandas.
De acordo com Filipe Sisson, CEO da iGUi, seja no Brasil ou no exterior, a rede não possui unidades próprias, somente franqueadas que são abastecidas pelas máster-
franquias. “Cada fábrica atende os mercados mais próximos, porém, dependendo do modelo da piscina e/ou custo, a iGUi exporta o produto de outras fábricas mais distantes”, conta.
Para Bruno Amado, gerente de projetos Internacionais da ABF e gerente executivo do Franchising Brasil, as franquias brasileiras precisam entender que o que funciona para um mercado, pode não se aplicar a outro. “Por isso, é preciso se munir de dados e estudos para entender bem como adaptar as abordagens. Os cases estão aí para mostrar o quanto a criatividade e a inovação são as maiores aliadas das franquias brasileiras quando o assunto é mercado externo”, considera.