Dados da FIAF demonstram o impacto do novo coronavírus

Em sessão extraordinária realizada em 17 de março, os representantes da Federação Ibero-americana de Franquias (FIAF)

Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Dados da FIAF demonstram o impacto do novo coronavírus

Em sessão extraordinária realizada em 17 de março, os representantes da Federação Ibero-americana de Franquias (FIAF), cúpula que reúne os países Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Equador, Panamá, Guatemala, México, Peru, Uruguai, Paraguai, Portugal e Venezuela, discutiram a situação vivida no setor de franquias diante do COVID-19.
Segundo dados obtidos em pesquisa com os membros da FIAF e também com base nas informações fornecidas por seu secretário-geral Gabriel Grasiuso, algumas das medidas que foram tomadas pelos governos dos países membros foram a restrição de horários e somente permitir o serviço a domicílio em 63%, fechamento total do comércio e quarentena obrigatória em 25%. O setor de varejo é o mais afetado por esta crise, com 50%, seguido pelo setor de restaurantes e alimentação, com 38%. Isso se deve principalmente à queda nas vendas, onde 67% dos negócios tiveram zero vendas, bem como a interrupção na cadeia de suprimentos em 50%.
O estudo desenvolvido pela FIAF também apresentou as necessidades de suporte esperadas pelas franquias de suas associações nacionais diante desta situação de pandemia. Em primeiro lugar, com 40%, destaca-se o relacionamento de união com as autoridades governamentais. Em segundo lugar, com 35%, as franquias precisarão de apoio em questões trabalhistas, onde uma contingência legal está prevista em um ambiente social e empresarial extremamente complexo. O terceiro serviço de suporte que os parceiros esperam é em questões jurídicas (10%) ante violações de contratos de franquia por franqueadores e franqueados no contexto da atual crise grave.