S.O.S. infância

Nos últimos anos, tem aumentado no Brasil os casos de suicídios entre crianças e adolescentes. Conheça algumas das razões e o que fazer para evitar

Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

S.O.S. infância

Nos últimos anos, tem aumentado no Brasil os casos de suicídios entre crianças e adolescentes. Conheça algumas das razões e o que fazer para evitar

A cada 40 segundos uma pessoa se suicida no mundo, o que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), soma quase 800 mil indivíduos por ano. Só no Brasil, pelos dados do Ministério da Saúde (MS), entre 2011 e 2015, foram registrados no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) 55.649 óbitos por suicídio, com uma taxa geral de 5,5 casos a cada 100 mil habitantes, variando de 5,3 em 2011 a 5,7 em 2015.
Dentro desse universo, um índice que tem causado cada vez mais preocupação é o relacionado a crianças e adolescentes. Para se ter uma ideia, quase duas pessoas com idade entre 9 e 18 anos consumaram suicídio por dia no País, em 2013. Em praticamente todas as idades, as taxas aumentaram entre 2003 e 2013 – em 2003, na faixa de 9 a 19 anos era de 1,9 em 100 mil; em 2013, elevou-se para 2,1.
Estes números fazem parte do estudo Violência Letal contra as Crianças e Adolescentes do Brasil, realizado pelo sociólogo e coordenador da Área de Estudos da Violência da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais, Julio Jacobo Waiselfisz.

Se relacionado com outras nações, os indicadores brasileiros até que não são os maiores – o Brasil ocupa a 43ª posição em um ranking de 89, com taxa de 0,7 suicídios para cada 100 mil crianças e adolescentes de 10 a 14 anos de idade; a 51ª posição entre os adolescentes de 15 a 19 anos, e a 53ª no conjunto de 10 a 19 anos de idade. O problema é que eles estão crescendo lentamente ao longo do tempo.
Mas o que leva alguém, com tão pouca idade, ao ato desesperado de tirar a própria vida? É complicado dar uma resposta direta, pois são muitos os fatores envolvidos, tais como depressão, ansiedade, bullying, dificuldade para lidar com frustrações, pressões sociais, questões sobre a sexualidade e redes sociais. O psicólogo, especialista em Medicina Comportamental e hipnoterapeuta, Valdecy Carneiro, comenta que a falta de propósito é outro ponto que precisa ser levado em consideração.

Sinais de alerta

– Isolamento social grande, seja com a família ou os amigos;
– Diminuição do autocuidado e descuido com a aparência;
– Mudança repentina de humor;
– Aparecimento ou agravamento de problemas de conduta ou de manifestações verbais durante pelo menos duas semanas;
– Preocupação com a própria morte ou falta de esperança;
– Expressão de ideias ou intenções suicidas;
– Abuso no consumo de substância lícitas ou ilícitas, e
– Automutilação (se machucar propositalmente).

Fonte: Ministério da Saúde

“A criança e o adolescente, hoje em dia, têm de lidar com as altas expectativas dos pais, especialmente nas famílias com melhor posição sócio-econômica. Eles são pressionados o tempo todo a ter um excelente desempenho escolar e a fazer mil e uma atividades, mesmo que não queiram. Muitos, inclusive, têm uma lista de afazeres bem mais extensa do que os adultos. Com isso, chegam num ponto em que perdem o propósito e acabam vivendo para atender aos anseios dos outros e se tornando cada vez mais escravos de uma rotina atribulada e indesejada”, analisa.
O especialista ainda pontua que esta turma tem sofrido com a sensação de não pertencimento. “Diversas crianças e adolescentes sentem que não se encaixam em lugar nenhum e que não servem para nada, não têm identidade. Situação que só piora com a cobrança exercida pelos responsáveis por boas notas, bons comportamentos, bons amigos.”
Para Waiselfisz, os conflitos que surgem conforme a sociedade se desenvolve também merecem destaque. “À medida que ela avança, é normal que as pessoas, inclusive as crianças e os adolescentes, tenham dificuldade em entendê-la e vice-versa. Isso cria uma crise pessoal grande e pode culminar no suicídio.”

O que fazer?
Lidar com todas essas questões não é tarefa fácil, mas é possível. Apesar de o suicídio ser, como define o Ministério da Saúde, “um fenômeno complexo, multifacetado e de múltiplas determinações, que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades, orientações sexuais e identidades de gênero”, ele é prevenível.
Para isso, Carneiro recomenda atenção. “É fundamental perceber a criança ou o adolescente, ou seja, olhar para ele com cuidado e, a qualquer indício de mudança comportamental, conversar de forma sincera, apoiar e buscar ajuda.” Junto a isso, o psicólogo indica ficar de olho nas redes sociais dos filhos: “Não é para invadir a privacidade, mas sim observar o que acontece nesse mundo potencialmente perigoso”.
Também é necessário não julgar e, em casos de transtornos mentais, não estigmatizá-los e nem ignorá-los. E não são apenas os familiares que têm a obrigação de auxiliar nesta situação. A escola tem um papel muito importante. Entre as ações que podem e devem tomar estão discutir com os alunos e seus familiares o suicídio e temas relacionados, como problemas emocionais; criar comissões para tratar o bullying; trabalhar ao máximo a cultura da aceitação – de si mesmo e dos outros –; e promover atividades que desenvolvem habilidades socioemocionais.

Onde buscar ajuda

– Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) e Unidades Básicas de Saúde (UBS);
– Unidade de Pronto Atendimento (UPA), SAMU, pronto-socorro e hospitais, e
– Centro de Valorização da Vida (CVV).

Fonte: Ministério da Saúde

Fechar Menu