Maternidade após os 40 anos

Muitas mulheres optam pela dedicação aos estudos e à carreira antes de engravidar

Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Maternidade após os 40 anos

Muitas mulheres optam pela dedicação aos estudos e à carreira antes de engravidar

Há nove anos, a coordenadora de projetos sociais da Fundação Volkswagen, Sandra Maria Viviani, de 49 anos, se casou pela segunda vez e tomou uma decisão: ter mais um filho. A gravidez aconteceu algum tempo depois, em 2012, e no dia 25 de dezembro do mesmo ano nasceu a pequena Giovanna Viviani.
“Na época, a minha filha mais velha, a Giulia, já era adolescente (hoje está com 23 anos) e o meu então marido sonhava em ser pai. Durante um tempo eu até achei que estava velha para isso e que não daria conta de uma criança pequena, mas a vontade acabou falando mais alto”, conta.
Com uma gestação sem problemas, ela fez o pré-natal normalmente, apenas com mais atenção ao ultrassom morfológico, que possibilita identificar algumas doenças ou malformações do bebê, e a ingestão de vitaminas. “E eu queria parto normal, mas a médica disse que era um risco por conta da idade. Tirando isso, foi tudo muito tranquilo, até mais do que quando tive a primeira filha, com vinte e poucos anos, creio que justamente pela minha maturidade”, complementa.

Estabilidade e gravidez tardia
Sandra faz parte de um grupo que só cresce: o de pessoas que têm filhos tardiamente. De acordo com balanço da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, a gravidez em mulheres com mais de 40 anos aumentou 50% nos últimos dez anos. Em 2018, foram 23.384 partos, contra 15.396 em 2008.
“Atualmente, a medicina tem vários exames e nossos corpos já aguentam bem uma gravidez com mais idade. A vida é tão corrida, com estudos e carreira, que é normal pensarmos em termos filho, se tivermos, só mais tarde”, analisa a coordenadora de projetos sociais.
Segundo a ginecologista do Hospital Adventista Silvestre Márcia Barbosa Vieira, não existe mais a idade ideal para engravidar. “A mulher conquistou a sua independência e está optando pela estabilidade profissional ou emocional antes de se tornar mãe”. Mas será que há riscos em ter filhos após os 40 anos? E é possível engravidar naturalmente? A seguir, a médica responde suas dúvidas.

Chances de engravidar naturalmente
A mulher nasce com um número de óvulos para a vida toda e, conforme envelhece, essa quantidade, assim, como a qualidade, diminui. Esse é um processo natural e que não pode ser impedido. No geral, a fertilidade feminina entra em declínio aos 35 anos e chega ao fim na menopausa. É especialmente por esse motivo que, com a proximidade dos 40 anos, as gestações espontâneas ficam um pouco mais difíceis.

Ajuda da ciência
O avanço da medicina trouxe muitas possibilidades para as mulheres que desejam postergar a gestação. Uma delas é o congelamento de óvulos, que garante a qualidade do material genético para quando a decisão for tomada. O que também permite realizar o sonho da maternidade, quando ela não ocorre de forma natural, são as técnicas de reprodução assistida (indução da ovulação, fertilização assistida e inseminação artificial).

Cuidados necessários
É importante que a mulher se prepare para uma gestação saudável após os 40 anos. Para isso, deve realizar um check-up clínico periódico, iniciar o uso de algumas vitaminas antes da gestação, como o ácido fólico, fazer atividade física regular e atualizar o cartão de vacinas no período adequado. Durante o pré-natal, tem de fazer todos os exames de rastreio para as doenças maternas do período e das patologias do bebê, bem como consultas com intervalos regulares a critério do pré-natalista e de acordo com as necessidades de cada uma.

Riscos da gestação tardia
Após os 40 anos, as gestantes têm mais chance de desenvolver diabetes gestacional, hipertensão arterial, pré-eclampsia ou eclampsia. Também aumentam os riscos de abortamento e parto antes da 38ª semana e, para o bebê, o desenvolvimento de alguma cromossomopatia – a mais comum delas é a Síndrome de Down.

Fechar Menu