Comércio eletrônico ganha espaço nas franquias

Antes visto como inimigo, o comércio digital tornou-se, recentemente, um aliado do setor de franquias. É o que mostra o balanço do primeiro trimestre de 2019, divulgado pela ABF, que identificou a presença do canal em 61,1% das redes, um crescimento de quase 20%, se comparado ao mesmo período de 2018.

Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comércio eletrônico ganha espaço nas franquias

Comércio eletrônico ganha espaço nas franquias

Antes visto como inimigo, o comércio digital tornou-se, recentemente, um aliado do setor de franquias. É o que mostra o balanço do primeiro trimestre de 2019, divulgado pela ABF, que identificou a presença do canal em 61,1% das redes, um crescimento de quase 20%, se comparado ao mesmo período de 2018.
Em quase a metade das redes (48,1%), os franqueados participam, sendo que o formato predominante é o de comissão sobre as vendas (79,2%), seguido de loja virtual do franqueado (9,1%) e aplicativo de delivery (7,2%).

Marcas mais experientes
enfrentam resistência
Tradicional no setor de franquias, a 5àSec enfrentou oposição dos franqueados mais antigos ao inserir o e-commerce, principalmente dos que não têm tanto contato com o mundo digital. “Estamos trabalhando fortemente junto à rede para o entendimento da ferramenta, seus benefícios e sua importância no momento atual da economia, e dos novos padrões de consumo e acessibilidade dos mais diferentes canais de vendas”, explica o CEO Brasil da rede Fábio Roth.
No site, o cliente solicita os serviços da empresa e a loja mais próxima, por meio do delivery, retira as roupas, processa e devolve no local indicado. A gestão da plataforma é feita pela franqueadora, mas operada pelos franqueados.
“Hoje, a plataforma sem divulgação e impulsionamento já representa quase 1% do faturamento bruto, o que será feito após os 100% de adesão dos franqueados que deve ocorrer até o final de junho. Dentro disso, nossas estimativas é que o faturamento até o final do ano dobre no canal”, explica Roth.

Customização do tratamento diminui atritos
O e-commerce da Liz Lingerie & Conforto ainda é recente, mas já tem uma meta para cumprir a curto prazo: deve corresponder a 15% do faturamento. A CEO da marca Lígia Buonamici acredita que a ferramenta será útil para aumentar a margem com a expansão do faturamento e ampliar as possibilidades de conhecimento da consumidora.
Os franqueados ainda não participam totalmente da plataforma, mas é um dos próximos projetos que têm sido trabalhados pela Liz. As gestões, inclusive, ainda são separadas. “Houve uma resistência no início, um mal-estar entre os canais, mas o que nós fazemos e sempre fizemos é uma harmonização da precificação. Foco nas fortalezas de cada canal, ações de marketing em comum e específicas, além de um treinamento diferenciado para franquias. Esse tratamento customizado eliminou os atritos”, explica Lígia.

Franqueado envolvido desde o início
Na Bibi, o e-commerce tenta transformar todas as jornadas do consumidor em apenas uma, seja física ou virtual. Dessa forma, o site permite que o cliente retire compras on-line na loja ou vá até a franquia e compre um produto no site. “Quando começamos lá atrás, com as primeiras iniciativas, a maioria via o e-commerce como inimigo. Hoje, com os benefícios que o franqueado obtém, bem como com o entendimento que o consumidor está no centro, grande parte da rede já está engajada nos projetos”, comenta a presidente da marca Andrea Kohlrausch.
Atualmente, o e-commerce representa 3,14% do faturamento da empresa. “Os franqueados participam de todos os projetos de inovação e tecnologia que abrangem toda a rede”, explica Andrea.

Intuitivo nas franquias mais novas
Todos os produtos vendidos pela Nação Verde estão disponíveis tanto nas lojas, quanto no site. Se o consumidor comprar pelo e-commerce, a franquia mais próxima fica encarregada de enviar a encomenda. “Sendo dessa forma, os franqueados também conseguem participar da rede do e-commerce, porque é ele que monta o pedido e faz a postagem nos Correios”, explica o CEO e fundador da marca Ricardo Cruz.
O valor pago pelo cliente no site é depositado em uma única conta da franqueadora e repassada para os franqueados no mês seguinte. “É importante dizer que o lucro pertence totalmente ao franqueado, só existe uma taxa de 10% para a franqueadora”, explica Cruz.
O faturamento do e-commerce corresponde a 11% da rede, atualmente. Como a marca já nasceu com o comércio eletrônico, não houve resistência por parte dos franqueados, segundo o executivo.
Por meio do CEP do cliente, o comércio eletrônico da Maria Brasileira já direciona a demanda para a franquia mais próxima, de forma integrada. Atualmente, a plataforma corresponde a 2% do faturamento da marca. “Por meio da plataforma de gerenciamento, o franqueado faz o acompanhamento dos prestadores de serviço em tempo real, recebe todos os agendamentos no sistema da unidade e pode fazer a solicitação de resgate dos valores que ele tem pendente para receber via plataforma”, explica Eduardo Pirré, fundador e diretor de inovação da Maria Brasileira.
O e-commerce da marca permite, ainda, que o cliente faça a contratação durante 24 horas, sete dias por semana, o que aumenta a produtividade das unidades franqueadas, sem necessidade de contratação.

Questões legais
prejudicam franchising
Superada a questão da familiaridade com o comércio eletrônico, o franchising esbarra em outra complicação para que a ferramenta tenha perfeita aderência à rotina: tributária. “Pela legislação atual, a devolução de um produto tem que ser feita para o mesmo CNPJ em que a compra foi feita. O que acontece, de fato, é que o consumidor não quer saber qual foi o CNPJ e sim, a marca. Diante desse contexto, ele exige que os franqueados recebam e troquem estes itens. Na prática, muitas redes têm aceitado isso, mas de forma irregular”, comenta o especialista da consultoria GoAkira José Carlos Fugice.
Por se tratar de unidades independentes, sob gestões individuais, as franquias não podem compartilhar estoque nem entre si, nem com o e-commerce.
No entanto, a adoção do “clique e retire” é uma estratégia acertada, e que tem ganhado contornos cada vez mais reais nas franquias. Nessa modalidade, o cliente escolhe, pelo site, em qual loja vai retirar o produto.
“Em alguns casos, o franqueado despacha a mercadoria para o consumidor final. Isso pode se tornar uma grande vantagem competitiva, pois a unidade local pode atender a demanda com maior agilidade e menores custos para o cliente”, complementa o especialista. Nesse caso, acontece a valorização da loja física enquanto ponto de contato com o cliente.

Saiba Mais:

Como funciona a integração de plataformas
na Bibi?
1. Retira na Loja: compra do e-commerce e se desloca até a loja para retirar o produto que sai do estoque do on-line
2. Clique e Retire: compra no e-commerce e retira o produto em um curto tempo, que sai do estoque do franqueado
3. Prateleira Infinita: vende um produto do estoque do e-commerce quando o cliente está no PDV. Esta funcionalidade faz com que o cliente não saia sem o produto desejado