Advertisement Advertisement Editora Lamonica – Revista Franquia #84 |ENTREVISTA|Assuma as rédeas da sua vida

Notícias

Revista Franquia #84 |ENTREVISTA|Assuma as rédeas da sua vida

Assuma as rédeas  da sua vida

Autor do livro O Poder da Autorresponsabilidade, Paulo Vieira, fala sobre a importância de admitir que você é o único responsável pelos rumos da própria vida

Paulo Vieira, especialista da consultoria Febracis e autor do livro O Poder da Autorresponsabilidade

Paulo Vieira, especialista da consultoria Febracis e autor do livro O Poder da Autorresponsabilidade

Em uma de suas palestras, realizada em uma convenção anual de vendas, o especialista da consultoria Febracis e autor do livro O Poder da Autorresponsabilidade, Paulo Vieira, perguntou para uma plateia de 400 pessoas: “Quem é a única pessoa responsável pelo seu sucesso?”. Todos foram unânimes em responder “eu”. A mesma resposta foi dada às perguntas seguintes do consultor, que eram sobre a responsabilidade pela própria remuneração, pela qualidade de vida provida aos filhos, pelos bens que possuía, entre outros temas.
A pergunta seguinte foi: “Quem leu um livro ou fez uma capacitação em vendas no último ano?”. Ninguém levantou a mão.
“Eu disse que eles haviam mentido: eles não são os responsáveis, são os irresponsáveis, os inconsequentes. Como alguém vive do que se realiza comercialmente e, durante um ano, não lê um livro, não se capacita? É irresponsável pelos seus resultados. Aí eu entendi por que aqueles vendedores cobravam tanto campanhas comerciais, tanto desconto, prazo e lugares privilegiados na prateleira: já que não tinham competência comercial, eles queriam que a empresa arcasse com melhores condições”, afirma.
Vieira defende que a vida de cada um é fruto de suas próprias escolhas e, por essa razão, é autorresponsabilidade. Ele acredita que o termo é libertador, pois tira a crença de que o ser humano depende de outra pessoa para se realizar e alcançar objetivos. O especialista conversou com a Revista Franquia & Negócios sobre seus pensamentos. Confira:

Como a consciência do poder da autorresponsabilidade pode ser útil para o desenvolvimento pessoal e profissional?
Esse é um conceito que diz que tudo o que acontece em nossas vidas é de nossa responsabilidade, tanto o sucesso quanto o fracasso. O que fazemos ou deixamos de fazer gera resultados. A vida é como uma colheita. Quando eu não faço nada, estou plantando, quando faço algo ruim, estou plantando, quando faço algo extraordinário, estou plantando. Você pode escolher o que vai plantar, mas não vai escolher o que colher. E é isso que acontece na vida pessoal e profissional: estamos colhendo.

Uma de suas frases é que “cada um tem a vida que merece”. Até onde vai a responsabilidade da pessoa pelo seu modo de vida?
O conceito da autorresponsabilidade é muito vasto, se aplica a 99% de tudo que nos acontece e eu reservo esse 1% a tudo o que não conseguimos explicar. Muitas pessoas destroem suas vidas e não sabem por quê. Seus sentimentos são tóxicos, e elas não têm consciência, os pensamentos são tristes, de incapacidade e eles não sabem. Mas, mesmo a pessoa não sabendo por que as coisas dão errado, mantém pensamentos tóxicos e de inferioridade, é responsabilidade dela. Cada um tem a vida que merece. Eu faço uma dinâmica em alguns eventos meus e peço que a pessoa caminhe com os dedos até o lado da barriga e aperte para ver o quanto de gordura tem em suas mãos. Quando isso acontece, peço que olhe para a mão do colega ao lado, e digo: está tudo certo, cada um tem a vida e a barriga que merece. Essa barriga não é coincidência, é fruto de alimentação, de fazer exercícios ou não, de bebida, de uma vida sedentária. Por mais que a pessoa diga que tem metabolismo baixo, são histórias para justificar o mau desempenho. Isso também vale para a conta bancária.

Capa LivroComo passar a enxergar a própria participação em aspectos da vida que nos parecem responsabilidades alheias, como o salário?
Vamos ver pelo lado da remuneração. Eu ganho meu salário por minha causa ou por causa daquelas pessoas? Se não está satisfeito, vai embora, quem te prende àquela empresa? Você não é obrigado. Se você pode mais, merece mais, por que não consegue um emprego melhor? Criticar a instituição, reclamar, fazer corpo mole, boicotar, criar uma liderança paralela negativa não vai te fazer ganhar mais. Conquiste um emprego com um salário melhor. Mude quem você é e o emprego vem atrás de você. Talvez se você produzisse mais, se conectasse mais com as pessoas, contribuísse para o clima empresarial, gerasse mais resultados, você teria o seu sucesso. Criticar os outros pelo seu não-resultado, é tirar sua responsabilidade. Não adianta acordar no outro dia com uma consciência leve, por transferir seus problemas, e uma vida fracassada.

Existe diferença entre assumir culpa e assumir responsabilidade?
Eu nunca falo de culpa, falo de responsabilidade. Eu falo que, por ação ou omissão, eu fui responsável. A culpa fala necessariamente de erro, a responsabilidade, não. Fala de coisas que eu poderia e deveria ter feito, mas não fiz. Se eu adoeci, sou culpado? Não. Mas sou responsável, certamente minhas emoções não estavam legais, e sou o responsável por elas. Minha maneira de pensar, minha alimentação. Eu posso não ser o culpado, mas sou o único responsável pela minha saúde. Quase nada vai interferir na qualidade se eu estiver atento a ela. Se o clima está ruim, melhore a alimentação. Não são as circunstâncias externas que interferem, é o que eu faço em relação a elas.

Como se aplica a visão religiosa de que “Deus está no controle de tudo”?
Falando de cristianismo e judaísmo, é muito simples, porque fala de livre arbítrio. E não há nada mais poderoso nesse mundo, creio eu, do que o livre arbítrio: onde ir, o que fazer. Se Deus, sendo Deus, dá o livre arbítrio de amá-lo e seguí-lo ou não, imagina para as outras coisas? Claro que todas as escolhas têm consequências. Tem uma fala que diz que “de Deus não se zomba, o que planta se colhe”, e é isso que vemos todos os dias. Nossa maneira de pensar, de sentir, aquele curso que não fizemos, aquele relacionamento que jogamos fora, aquela macarronada no domingo à noite, estamos colhendo tudo em nossas vidas. Outra passagem bíblica diz que quem semeia vento, colhe tempestade. É muito fácil pessoas se esconderem atrás da religião: “Deus está conduzindo”, “Deus quis assim”. Deus quis que você dirigisse o carro a 180 km/h e batesse? Foi Deus que fez você não buscar aquele curso? Foi Deus que te fez roubar uma empresa ou escolher um sócio errado? Foi Deus que fez isso? É muito cômodo dizer que está como Deus quer. Nos tira a responsabilidade, alivia a consciência, mas no dia seguinte acordaremos com os mesmos problemas, ou ainda maiores.

Quais os benefícios de se aplicar essa visão aos fatos que ocorrem na vida?
O benefício de aplicar isso em tudo da vida é extraordinário. Imagina, se eu sei que cada um tem a saúde que merece, cabe a mim me alimentar direito, me exercitar, sair da zona de conforto. Dinheiro não é desculpa, faça exercícios no seu quarto. Entre na internet e procure informações. Se responsabilize, para que os erros não aconteçam de novo. A responsabilidade gera benefícios em todas as áreas da vida, faz com que a pessoa deixe de ser um refém e passe a ser um protagonista. Deixe de ser coadjuvante para ser o diretor da sua vida.
A metáfora que eu gosto de dizer é que nós, enquanto comandantes do barco da nossa própria vida, decidimos se esse é o momento de sair do porto. Essa é a hora? Esse é o mantimento necessário? Esse é o combustível que preciso? Já olhei as cartas náuticas? Se estou seguro, vou. O importante é que você se responsabilize. E entenda que você é o comandante do barco da sua vida. Tem que levar de um lugar para outro. Faça-o da melhor maneira possível. Assuma a autorresponsabilidade. Nada vai mudar na sua vida, se você não mudar primeiro. Mude e viva o melhor da vida.

Publicações recentes